Secretaria da Saúde promoveu Dia “D” da campanha Novembro Azul e público masculino comparece em grande número

 

Por meio da Secretaria Municipal de Saúde, a prefeitura realizou, durante toda a manhã desta sexta-feira (30), o Dia D do Novembro Azul. Neste mês, toda a rede de atenção básica à saúde do município se volta para a campanha de prevenção ao câncer de próstata.

O Dia D aconteceu na Unidade Básica de Saúde Waguines Júlio de Castro e sua abertura oficial feita pelo prefeito Ibinho que, em sua fala, destacou que “esse tipo de ação é fundamental para a conscientização da população e, principalmente, dos homens, que exames de rotina têm grande importância na prevenção da doença”.

Foram atendidos 170 homens que receberam orientações da equipe da Secretaria de Saúde sobre câncer de próstata e passaram por atendimento médico; aferição de PA; teste de glicemia, palestras e coleta de sangue para PSA (Antígeno Prostático Específico).

Segundo o secretário de Saúde, José Fernandes Faria, a ação tem o objetivo de informar sobre os riscos da doença e a importância do exame de próstata para diagnosticar precocemente a doença.

O palestrante e médico Roberto Naves Cocota, explicou que o estilo de vida e a dieta adotada podem influenciar no desenvolvimento da doença. “Não existem orientações efetivas para que um homem saia do risco de ter câncer de próstata. Sabemos que a mudança no estilo de vida contribui para minimizar os riscos”, disse.

Após a detecção da doença, existem três tipos de tratamento: a cirurgia (retirada da próstata); radioterapia (aparelhos modernos provocam menos efeitos colaterais) e Braquiterapia (radioterapia em que se coloca uma fonte de radiação dentro ou junto à área que necessita tratamento).

“A grande maioria dos homens afirma ter conhecimento do exame do toque, mas apenas 30% confirma ter feito o procedimento. Outros têm mais informações sobre PSA, o exame que é feito com mais frequência na atualidade. Há um grande preconceito com relação ao exame de toque retal. Mais de 50% dos homens recusam fazer esse tipo exame. As desculpas são as mais diversas para não realizá-lo e não procurar um urologista, como preguiça, falta de tempo e falta de sintomas. Isso só prejudica o paciente uma vez que o afasta de um diagnóstico precoce. Nesse ponto, nosso principal desafio é a conscientização da população masculina sobre a importância de procurar um médico periodicamente”, falou.

Participou da ação, os vereadores Camilo, Leopoldo, Lazinho e Baiano, o secretário de Saúde, José Fernandes Faria, a Coordenadora das UBS’s, enfermeira Jessica Fernanda, e os médicos Abdias da Silva Lima Neto, Wellson Gomes Oliveira Junior e Roberto Naves Cocota.

 

Novembro Azul

O mundo inteiro se mobiliza no mês de novembro, para lembrar aos machões sobre o autocuidado com o corpo, especialmente para prevenir o câncer de próstata. No Brasil, o câncer de próstata é o segundo mais comum entre os homens (atrás apenas do câncer de pele não-melanoma), segundo dados do Instituto Nacional de Câncer (Inca).

O chamado Novembro Azul nasceu na Austrália, em 2003, com o nome de Movember, uma mistura das palavras em inglês ‘moustache’ (bigode) e ‘november’ (novembro). E o movimento mundial não é por menos: o câncer de próstata, em valores absolutos, é o sexto tipo mais comum no mundo e o mais prevalente em homens no cenário global, ainda conforme o Inca.

 

Câncer de próstata

A próstata é uma glândula que só o homem possui e que se localiza na parte baixa do abdômen. Ela é um órgão muito pequeno, tem a forma de maçã e se situa logo abaixo da bexiga e à frente do reto. A próstata envolve a porção inicial da uretra, tubo pelo qual a urina armazenada na bexiga é eliminada. A glândula produz parte do sêmen, líquido espesso que contém os espermatozoides, liberado durante o ato sexual.

O câncer de próstata, mais do que qualquer outro tipo, é considerado um câncer da terceira idade, já que cerca de 75% dos casos no mundo ocorrem a partir dos 65 anos.

O índice tem aumentado no Brasil, mas o Inca avalia que isso tenha ocorrido pela evolução dos métodos diagnósticos (exames), pela melhoria na qualidade dos sistemas de informação do país e pelo aumento na expectativa de vida.

A estimativa de novos casos por ano no Brasil é de 68.800. A doença mata mais de 13 mil homens por ano no país.

 

Sintomas

A maioria dos cânceres de próstata cresce lentamente e não causa sintomas. Tumores em estágio mais avançado podem ocasionar dificuldade para urinar, sensação de não conseguir esvaziar completamente a bexiga e hematúria (presença de sangue na urina).

Dor óssea, principalmente na região das costas, devido à presença de metástases, é sinal de que a doença evoluiu para um grau de maior gravidade.

 

Diagnóstico

O câncer de próstata pode ser diagnosticado por meio de exame físico (toque retal) e laboratorial (dosagem do PSA). Caso sejam constatados aumento da glândula ou PSA alterado, deve ser realizada uma biópsia para averiguar a presença de um tumor e se ele é maligno. Se for, o paciente precisa ser submetido a outros exames laboratoriais para se determinar seu tamanho e a presença ou não de metástases.

 

Tratamento

O tratamento depende do tamanho e da classificação do tumor, assim como da idade do paciente e pode incluir prostatectomia radical (remoção cirúrgica da próstata), radioterapia, hormonoterapia e uso de medicamentos. Para os pacientes idosos com tumor de evolução lenta o acompanhamento clínico menos invasivo é uma opção que deve ser considerada.

 

Recomendações

  • Homens sem risco maior de desenvolver câncer de próstata devem começar a fazer os exames preventivos aos 50 anos;
  • Descendentes de negros ou homens com parentes de primeiro grau portadores de câncer de próstata antes dos 65 anos apresentam risco mais elevado de desenvolver a doença; portanto, devem começar a fazer os exames aos 45 anos;
  • Pessoas com familiares portadores de câncer de próstata diagnosticado antes dos 65 anos apresentam risco muito alto de desenvolver a doença; por isso, devem começar o acompanhamento médico e laboratorial aos 40 anos;
  • Homens com níveis de PSA abaixo de 2,5 ng/mL devem repetir o exame a cada 2 anos; já aqueles com PSA acima desse valor devem fazer o exame anualmente;
  • Resultados de PSA e toque retal alterados são relativamente comuns, mas podem gerar muita angústia, apesar de não serem suficientes para estabelecer o diagnóstico de câncer de próstata; para confirmá-lo é indispensável dar prosseguimento a uma avaliação médica detalhada e criteriosa;
  • Optar por uma alimentação balanceada e praticar exercícios físicos regularmente são recomendações importantes para prevenir a doença.

Você pode gostar...