Casa de Apoio, em Goiânia, hospeda e apoia pacientes de São Simão e Itaguaçu em Tratamento Fora do Domicílio

Muitos pacientes necessitam sair de São Simão para realizar tratamentos mais complexos em centros maiores, e para que os mesmos possam se instalar confortavelmente, em maratonas que na maioria das vezes duram dias, uma Casa de Apoio exclusiva do município é disponibilizada e mantida em Goiânia.

A Coordenadora do Tratamento Fora do Domicilio (TFD) em São Simão, Dayane Valéria Nunes, explica que o encaminhamento à Casa de apoio é atribuição da Secretaria de Saúde, que ao receber o paciente deve apresentar-lhe uma oportunidade de tratamento e referencia-lo a grandes centros de tratamento que no caso é a Capital.

A Casa de apoio, portanto, é uma extensão do serviço social oferecido pelo o município no qual a se caracteriza na importância em acolher pacientes que estão vivenciando uma situação de maior vulnerabilidade emocional e carência financeira, pois na maioria das vezes são encaminhados para fechamentos de diagnósticos e tratamento especializados que não temos em nossas regionais.

“O apoio da Casa consiste em acolher os pacientes temporariamente e, principalmente, com cirurgias, exames e consultas de alta complexidade” revela Dayane.

Inaugurada em agosto do ano passado, a nova Casa que funciona 24 horas, é acolhedora, confortável, bem estruturada e adequada para receber esses pacientes especiais tão necessitados de atenção e, com profissionais de alta capacidade.

“Aqui, oferecemos um suporte digno aos usuários, com um amplo espaço e acesso mais rápido as unidades de saúde. Além deste referencial, há ainda o oferecimento de refeições diárias e diante de toda a assistência os pacientes e familiares se sentem melhor atendidos”, assim avalia Coordenadora Geral da Casa, Layane Kele Nunes.

Segundo Ela, a Casa disponibilizada pelo município tem uma ótima infraestrutura e está apta a dar o melhor conforto para que os pacientes tenham uma recuperação digna e mais rápida.

O prédio conta com 54 leitos divididos em duas alas, uma feminina e outra masculina. A ala feminina conta com trinta e oito leitos com ventiladores, cama, colchão e três banheiros sociais. Já a ala masculina possui 16 leitos mobiliados também com cama, colchão, ventiladores e dois banheiros sociais. A Casa possui ainda uma cozinha industrial com amplo refeitório dotado de mesa e bancos para até 60 pessoas, áreas de lazer e de descanso.

O paciente acolhido na Casa de Apoio tem direito a realizar até quatro refeições, sendo café da manhã, almoço, café da tarde e jantar, durante sua estadia. Somente entre os meses de setembro de 2017 e junho de 2018, 7.052 pessoas passaram pela Casa e foram servidas 5.841 refeições de janeiro a maio de 2018.

A equipe da unidade é composta por 02 profissionais na área administrativa, 1 representante no controle de avaliação, 02 motorista de carro e moto, 01 auxiliar de serviços gerais e 02 cozinheiras.

Segundo levantamentos da prefeitura, o investimento mensal feito pela municipalidade, no funcionamento da estrutura, está estimado em cerca de R$ 30 mil/mês.

Layane explica que, os serviços de transportes da Casa, são realizados por 02 veículos e uma motocicleta, funcionando 24 horas para atender os pacientes que são encaminhados de urgência à Goiânia.

“O transporte viabilizado para os pacientes e seus acompanhantes em Goiânia e adjacências adquire o agendamento programado na Casa de Apoio, que com fidelidade vem cumprindo a tarefa de levar e trazer os usuários que precisam alinhar-se aos prazos de seus tratamentos de saúde na capital ou em outros locais como Trindade, Aparecida de Goiânia e Senador Canedo”, disse Layane.

Já o transporte dos pacientes de São Simão para a capital é feito três vezes na semana (segunda, quarta e sexta-feira, alguns sábados ou conforme a necessidade), através de ônibus e em veículos menores conforme a necessidade.

O prefeito Ibinho, ressalta que “ao sair de São Simão com a garantia do transporte, hospedagem e alimentação o paciente ganha em tranquilidade e equilíbrio emocional, o que reflete diretamente na sua recuperação. Nosso compromisso é, sobretudo com a vida, humanizando o atendimento e garantindo uma assistência mais completa aos munícipes que utilizam o serviço”, afirma.

“A Secretaria de Saúde não mede esforços para atender ao máximo todos aqueles que buscam atendimento tanto em nosso munícipio, que tem feito diversas ações para que os atendimentos de média e baixa complexidade sejam realizadas aqui na cidade, quando é exigido o tratamento de especialistas que considera de alta complexidade conforme o encaminhamento dos nossos médicos, seja nas UBSs dentro dos Programas de Saúde da Famílias ou na própria Secretaria de Saúde, fazemos a triagem com toda documentação e o mais prontamente encaminhamos para nossa Casa de Apoio em Goiânia para continuidade e ou atendimento dependendo de cada caso. O prefeito tem nos determinado que seja dado toda atenção necessária aos nossos pacientes e que a Secretaria coloque toda estrutura para que a saúde esteja sempre a disposição de todos os nossos munícipes” informou o Secretário de Saúde José Fernandes Faria.

Morador de Itaguaçu, o autônomo Ari Antônio de Oliveira, foi até Goiânia para fazer um exame de videolaringoscopia e quando chegou a capital, ficou na Casa de Apoio. “Já tive aqui outras vezes e sempre sou muito bem tratado. Desde o ônibus, até aqui na Casa mesmo. Tudo organizadinho. Aqui faço minhas refeições e descanso. Na hora da consulta, o transporte me leva até a clínica e me traz de volta. Tudo muito bom! A equipe é acolhedora e faz de tudo para que sintamos em nossa própria casa. Aqui encontramos carinho e apoio”, admite Ari.

Dona Vera acompanha o esposo Sebastião Alves que iniciou na capital, um tratamento contra o câncer, ressalta “todos os funcionários cuidam bem da gente, fomos recebidos com muito respeito e carinho. Alimentação de primeira e muito bem feita. Se não fosse pela Casa de Apoio não teríamos condições de fazer o tratamento”.

 

Sobre o Tratamento Fora do Domicílio

“O TFD é um instrumento legal que visa garantir, através do SUS, tratamento médico de média e alta complexidade a pacientes portadores de doenças não tratáveis no município de origem por falta de condições técnicas. Quando esgotados todos os meios de tratamento na localidade de residência, o paciente é avaliado por médicos e direcionado ao atendimento fora domicílio”, explicou a Coordenadora do TFD, Dayane.

Você pode gostar...